20 de fev de 2013

Panariço






http://rafaelvatecaetano.blogspot.com





I



   _ A sinhá perguntou pro senhor o que vai dar hoje? 
_Diga a ela se me mandar três pernas eu canto o resultado. Vá.
O negrinho correu feito louco as escadinhas tortas que iam deixá-lo já na Rua dos Inválidos. A manhã acontecia sonolenta com alguns passantes tentando acordar. Uns tentavam dá cabo de suas obrigações diárias outros nem a isso se davam. O negrinho descalço e de perninhas muito magras atravessava as ruas e travessas matutinas. 
  Chegou até a Gomes Freire no numero noventa e seis e gritou com sua vozinha de menino: 
_Dona Eulália! Ó dona Eulália. 

Da janela surgiu uma senhora negra que de lenço florido sobre os cabelos já grisalhos, fez uma cara de espanto fingindo quando o negrinho proferiu o preço do consorcio que ela o mandara acerta com o Entrudo.
_ O senhor Entrudo me mandou dizer que se a senhora dá três pernas para ele, ele diz o que vai dar hoje. Sinhá Eulália vai?
 O negrinho queria saber, pois também tinha seu pedaço nesse consórcio. Dona Eulália pediu para o negrinho chegar até o portão da casa posta no sobrado da loja de instrumentos musicais. 
Esperava aquele pedaço de fome no portão mastigando uma palha nos dentes quando a voz do serviço o chamou. 
_ Toma as três pernas, trezentos cruzeiros, esse é do Entrudo o outro é seu, meu filho. 
O negrinho foi .
   _ Águia! Falou o entrudo tomando as três pernas da mão do negrinho_ agora chispa!
 O negrinho saiu da casa do apontador de jogo de bicho para saciar sua fome na padaria passando antes na Gomes Freire numero seis para dar o consórcio como encerado entre Eulália e o Entrudo.



II



   Os pés descalços com solas amarelas ladeavam a calçada cheia de obstáculos. A barriga pesara. Ele tomou o caminho mais longo do Campo de Santana_ aonde havia almoçado um bom almoço_ até a Gomes freire para entregar o resultado do bicho das 15 horas para a dona Eulália. Levava nas pequenas mãos um pedaço de papel amarelo amassado.
No seu destino , de frente a casa de Eulália ele gritou ainda correndo. 
_ Dona Eulália! 
A apostadora do jogo do bicho colocou o rosto na rua do lado de fora do portão. O negrinho entregou o pedaço de papel amassado que trazia nas mãos e se foi correndo por lado dos Arcos da Lapa. 
_ Provavelmente vai beber pinga com o que lhe dei_ Recriminava o negrinho Dona Eulália_ malandrinho.
 A mulher olhou o resultado com medo e pressa. Balançava a cabeça e dizia não. Berrou um grito um nome:_ Anastácio !
 Como um animal com dor caiu na calçada de pedras portuguesas. Anastácio, seu filho, veio em socorro da mãe que fora ludibriada pelo Entrudo. Deu burro. 

RVC 
           
Rio, deus Castanho.

Olhar Vatiano

Loading...