17 de out de 2011

Território (A) Mar

O território pode ser as linhas que o circundam, mas também os seus conteúdos com suas contradições, travessias e acontecimentos. As lentes de Rafael Caetano buscam o território próximo ao mar e o que há nele, sobre ele e contra ele. Dessa forma há uma confusão, um ruído, do qual o significado saboreia para se fazer intimo de cada um e não universal. O mar ou  o amar; essa deliciosa contradição, sem sintese, é o tema da reportagem fotográfica de Rafael CaetanoTerritório (A) Mar.





O Pescador de ócios


Menino sem nome


O fluidor


O pescador de ócios II


idhiótis I


João Batista de rua


idhiótis II



RVC
Rio, deus castanho














10 de out de 2011

Dona Marta reportagem fotográfica

Os recentes casos de corrupção nas UPPS cariocas levaram parcela da sociedade a questionar os rumos da política de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro.  No meio dos embates de interesses dos grupos evolvidos se encontra a vida. A vida e seus modos criativos de se reinventar. É essa vida— o acontecimento nos becos e vielas da favela Dona marta— que as lentes fotográficas de Rafael Caetano retratam. O pequeno, a emanentemente rarificado, aquilo que aparece é o tema da reportagem fotográfica Dona Marta. A fotografia se apresenta como se uma das possíveis fugas da vida, daquilo que a quer servil, fosse a memória construída na câmera escura.  


Ludus amour

Meu amigo Borges

Cruz do alto

Brincadeira de disputar

Pop

Legal?

...do alto


RVC
Rio, deus Castanho.


3 de out de 2011

Série: Pequenos insujos

Foto de Rafael Caetano

Navegar dias por mares bravios,
Enfrentar ressacas de Neturno
e depois  avistar a ilha.
Sonhar o bom descanso de Ulisses nos seios da ilha.
Numa distração da atenção  perder a ilha de vista.
Colher as réstias do tempo de navegar
E um pouco dela na câmara escura que ainda é a
memória. 

RVC

Rio, deus Castanho.

Olhar Vatiano

Loading...