5 de fev de 2013

ÓCIO DAS PLANTAS


http://rafaelvatecaetano.blogspot.com

Quisera ter o ócio das plantas.
Molhar se me chovem,
Ventar-me em ociosidades macias
de folhas, galhos e raízes.
Como ter o ócio das plantas? 

RVC

Rio, deus Castanho.

18 de jan de 2013

Verbera-nos ó bússola


Um nada verbera,
exílio, agora, é o outro e seus silêncios de mim.
Aqui, nesse corpo que quero ser,  reinam absurdidades , elas perambulam
em peles e orifícios.
http://rafaelvatecaetano.blogspot.com
Um nada verberara a bússola.
Seio norte.
Sexo sul.
Verbera-nos ó bússola !

RVC


Rio, deus Castanho.

16 de jan de 2013

Enforcado falsus IS



http://rafaelvatecaetano.blogspot.com
Há corações que fazem sofrer,
 leem a sentença de morte
E depois de passada 
uma fome da carne dizem:
-ide embora...Está perdoado!
Não só perdoado
, mas 
descarnado, as mãos manchadas
De um sangue que não 
pode ser lavado ao amanhecer.
O corpo estremece comse lhe passassem a corda
Pelo pescoço ao som de doces baladas feitas por quem
Despe-lhe as roupas e te veste o capuz.
O  orgulho estremece. O crime que cometeram contra ele é
Sagrado, pois se morreu por ele, por esse pequeno crime ofertado
A todo querer.


RVC
Rio, deus Castanho.

22 de dez de 2012

Pássaro passadiço



http://rafaelvatecaetano.blogspot.com
Quando me descobri passado 
eram as horas castanhas

As pálpebras amarelas.
Era então;
EU pássaro passadiço
num verão. 

RVC
Rio, deus Castanho.

26 de out de 2012

Três anos de Livro Blog

Viva tudo que é sincero e livre!  Três anos e o  Livro Blog tá ai. Mesmo que as fogueiras para os livros digitais sejam acessas não vai adiantar nada porque é impossível queimar  algo virtual ( Viu?). Quando lançado, ou melhor, disponibilizado on line o Livro Blog  foi alvo de furiosos ataques de conservadores, revolucionários e também dos que ficam em  cima do muro. Por que?

Por que ele afronta as editoras ao quebrar a mediação que essas fazem entre leitor e autor? Por que literatura é semente crítica e deve ser disponibilizada para todos 0800? Por que a cultura ainda não sabe lidar com os novos suportes, tão pouco com um tipo de escritor surgido com eles? 

Deixo o blábláblá retórico de lado, o leitor tem aqui uma versão em PDF do Livro Blog que já foi lido em quatro continentes . É um presente para os leitores e uma afronta para os chatos. Para os que o lerão boa leitura. Para os que o querem jogar na fogueira, agora, é só imprimir e tacar fogo!

Baixe aqui o Livro Blog



RVC
Rio, deus Castanho.

26 de ago de 2012

O leitor, o furtador


http://rafaelvatecaetano.blogspot.com


                                         O leitor ladramente furta com oolhos
                                                        o autor
                                                          quando o lê.
                                                           Adentrar mentes lhe é o seu vago ser.
             Lê Borges é roubar Borges.
                                                        a mente  ladrada é
                                       lida, relida e ,antes de tudo, vista.

 RVC

Rio, deus Castanho.

20 de ago de 2012

Barraco off neguinha

http://rafaelvatecaetano.blogspot.com
Lá, no meu chão, os cabelos castanhos e estrangeiros a mim ainda moram.
O fora remoça os retornos do porvir.
Quando re-ver os fios acastanhados
Porvirá, cá no meu chão, a dona
Dos cabelos castanhos.

RVC
Rio, deus Castanho.

14 de ago de 2012

Eu atelier



http://rafaelvatecaetano.blogspot.com
Eu sou meu atelier.
Ateliar-se   me é um estado
vago passante.
como vago é o fingir ser
RVC

Rio, deus Castanho.

6 de ago de 2012

Apineia solidária




Quão vão e fundo
É-nos o labirinto, a cidade,
O poço do fundo...
htp://rafaelvatecaetano.blogspot.com
Lá, naquele pequeno geométrico,
Meus pulmões morrem o ar e
Vivem a água .
Viver o molhado d’água
Ou de útero materno
Deve ser bom, como bom é
Não se afoga só num mar
De maresias salgadas de
Um padecer. Gosto do sal
Que há em corpos alineados
Pelo estar que é um estar
Que édela.
Gosto das coisas não
Por está elas, mas sim
Por afetua-me  elas.



RVC



Rio, deus Castanho.

31 de jul de 2012

L a morta I


http://rafaelvatecaetano.blogspot.com

Ando incabível no pequeno quarto.
O velho cigarro de planta e barro,
                                                  a lira de Azevedo e os sons coetâneos
                                                  acompanham o vagar dum monótono
                                                   e constante estar de min.
Nadificante, dou pernas ás vontades
e me acabo em frente às telas
em diálogos inacabáveis...
                                                Quem morre? Eu ou elas?    
                                                 Não importa!
                                                 o importante está lá, no vazio
do zero sem elas, sem celas!
As cortinas da noite ainda caem
Sobre meus sonos e vacilos...
                                                Hoje dormirei mais seco ou cedo.

RVC



Rio, deus Castanho.

Olhar Vatiano

Loading...