29 de ago de 2011

Nó de planta

Deixo-me ás plantas que ainda não falam com palavras,
elas habitam(bém) um território chamado pre-sente.
Foto de Rafael Caetano
Porque pre- sent(ir)e é tudo ou nada que já fora au-sent(ir)e.       

RVC
Rio, deus Castanho.

22 de ago de 2011

Território corpo


Foto de Rafael Caetano                                

Meu território é o corpo

Que habitado por outros serve
                                                    Aos acontecimentos de mim.
Me findo  corpo , me findo territorio;
                                               Sobra a aridez deste agora e
Um desertificado corpo .
                                              O homem é um fazedor de desertos



RVC
Rio, deus Castanho.

15 de ago de 2011

Sabeado



Reportagem fotográfica de Rafael Caetano


Veja que avança o andarilho, o amante da rua ou simplesmente  mais um vate a pisar com seus passos vadios  o chão d´um acontecer sabeado. Quantos sábados cabem numa foto? Quantos acontecimentos o repórter, esse esfacelador do vivido, consegue retratar?  Talvez apenas um sabeado.   



Cigana da tarde

                 Vendedor de ócios                                                                                 

 Achei Huizinga numa esquina

 Achei Huizinga numa esquina II

Só                                                                       

Sujeito partido

                                             Três olhares para a mesma rua

Jazz vira latas                                                                                  

Peri(dan)g(er)o

Bicicleta para um ladrão  de bicilcetas                                                 

Lembranças do geométrico





Rio, deus Castanho.

8 de ago de 2011

Jardins do sem


                              Foto do autor do Blog                                                                                         
A casa flor de Iole fica num território sem lugar
Cibele nem sabe quando de mim cabe lá.
Uma manga listrada pelo carvão foi esquecida num canto
por quem perdeu esse canto.
Assim a desmemória é o lugar do não lugar.
Os pequenos intervalos de Atenas começam a dá seus primeiros brotos
numa terra que ainda será corpo,
Mas por hora é só uma terra sem corpo.

RVC
Rio, deus Castanho.

1 de ago de 2011

No morro da tal Conceição

 Reportagem fotográfica de Rafael Caetano.



 Vista para se viver um grande amor                                                              


Diogénes                                                                                                                 

Varanda para se viver um grande amor                                                          

As plantas falam                                                                         


Metafotografia                                                                                                       

Ideia de um homem ocioso num fim de tarde                                                 

Garoto Ludis                                                                                                     


Andare                                                                                                             


Ano para se viver um grande amor                                                                   

Ex-pelho                                                                                                      

Rua para se viver um grande amor                                                              

Metafotografia II                                                                                              

Solidão para se viver um grande amor                                           
                                          

RVC
Rio, deus Castanho.

Olhar Vatiano

Loading...