12 de jan de 2010

Dois Poemas e um janeiro







Cantarida cantada




Num canteiro
 Vazio, não
 Nadificante, porque
 No vazio
 Havia ela,
A posse
 Faz-se
Escrava do
Possuidor.
 Ela enquanto
Dá-se
 Ao possuidor
 É somente
 Outro dela.
Ao som
 De uma
 Cantada profanada
Por voz
Rouca de falar
ventos e ocios.
 Uma cantarida
Cheia de arpejos
Se afoga
 Num mar
 De menta.
 Se afoga
 Num mar
 De menta
A posse.



RVC






Das leituras do Andarilho








O
                                      
     A                          eterno

Voltar                                        Retorno.
?
De                            por que

Haveria                          Tudo

Não

Olhar Vatiano

Loading...